PT e PCC - Comunistas, corruptos e narcotraficantes

Marcos Valério foi condenado a 37 anos de prisão no esquema do mensalão do PT.| Foto: Marcelo Andrade/Arquivo Gazeta do Povo

Porto Velho, RO - Os bandidos estão sempre por aí. Na política, então, nem se fala. No Brasil, a quantidade de parlamentares implicados em inquéritos e processos judiciais é enorme. Difícil entender como esses sujeitos continuam recebendo votos e sendo eleitos... Bom, se a gente imaginar que bandido vota em bandido, talvez isso já garanta uma votação expressiva aos candidatos ligados ao mundo do crime. Claro, entre os eleitores há também criminosos. E há os oportunistas, os desavisados, os ignorantes, os iludidos, os desmemoriados.

Grande parte da imprensa contribui para a proteção a políticos que já deveriam ter sido expelidos da vida pública. Infelizmente, nem todo mundo se libertou da mídia tradicional, que esperneia, tentando manter o monopólio da informação. Veículos que se consideram os donos da verdade usam a militância na seleção de suas pautas e na definição do tratamento que cada um desses assuntos escolhidos longe dos critérios jornalísticos receberá. Tudo parece ter um objetivo político, ideológico, revanchista...

Há políticos comunistas, há políticos corruptos, há aqueles ligados ao crime organizado. E há, para piorar, os que se inserem nesses três grupos

Só isso pode explicar o pouco espaço que o autointitulado “consórcio de imprensa” deu aos trechos inéditos da delação premiada que o publicitário Marcos Valério fechou com a Polícia Federal. Ele falou do envolvimento do PT com o PCC, a maior facção criminosa do país: corrupção, lavagem de dinheiro, chantagem, ameaça e até assassinato. O esquema montado em Santo André, e que levou à morte do petista Celso Daniel, então prefeito da cidade, acabou sendo o laboratório para o mensalão e, depois, para o petrolão.

Em 2019, foi o ex-ministro Antônio Palocci quem contou como o PT teria usado o PCC para lavar dinheiro no Ceará. Nesse mesmo ano, foi divulgada a gravação de uma conversa telefônica de um integrante do PCC: “O PT tinha diálogo com ‘nóis’ cabuloso”. E não acaba... Há poucas semanas, a polícia confirmou que investiga se um vereador paulistano do PT recebeu dinheiro do PCC na campanha eleitoral. E ainda tem o contador ligado a Lula, que é suspeito de lavar R$ 16 milhões para o crime organizado.

João Muniz Leite trabalhou para Lula de 2013 a 2016. É um homem de muita sorte. Apenas em 2021, ele e a mulher teriam ganhado 55 vezes em loterias federais... Em uma das vezes, o prêmio teria sido dividido com o traficante do PCC conhecido como Cara Preta. E tem mais: o escritório atual de Muniz Leite, em São Paulo, fica no mesmo endereço em que Fábio Luís Lula da Silva, filho do ex-presidente, mantém três empresas.

Desonestidade, incompetência e ferrugem

Faltou falar do general venezuelano Hugo Armando Carvajal, ligado a tráfico de drogas e terrorismo. Ele revelou que os governos de Nicolás Maduro e Hugo Chávez fizeram, por pelo menos 15 anos, pagamentos ilegais a políticos e partidos de esquerda. Lula está entre os citados. Faltou falar da parceria entre Lula e Sérgio Cabral, que teve como cabo eleitoral em uma de suas campanhas o traficante carioca Marcinho VP.

Assim estamos: há políticos comunistas, há políticos corruptos, há aqueles ligados ao crime organizado. E há, para piorar, os que se inserem nesses três grupos. A situação é tão delicada que andam dizendo por aí que as denúncias de ligação do PT com o PCC seriam apenas para difamar a facção criminosa... E, no mundo ideal, ninguém acharia graça nessa piada.

Fonte: Por Luís Ernesto Lacombe
Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem