VENEZUELANDO: Inflação na Argentina em 2022 deve ultrapassar 65%, menor só que a da Venezuela

 

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, e a vice-presidente, Cristina Kirchner, durante a posse presidencial - 10/12/2019 | Foto: Reprodução/Instagram/Alberto Fernández
O presidente da Argentina, Alberto Fernández, e a vice-presidente, Cristina Kirchner, durante a posse presidencial - 10/12/2019 | Foto: Reprodução/Instagram/Alberto Fernández

Porto Velho, RO -A inflação na Argentina deve fechar em mais de 65% neste ano, informou relatório do Banco Central do país. Divulgado no fim do mês passado, o documento mostrou que a inflação em abril fechou em pouco mais de 5,5%. Caso as projeções da autoridade monetária se confirmem, serão 15 pontos acima dos registrados em 2021 — a maior variação anual desde 1991. Além disso, a inflação virá acima dos 55% esperados pelo Banco Central em janeiro.
Na América do Sul, a Argentina só perde para a Venezuela no ranking regional de inflação, de acordo com levantamentos do Fundo Monetário Internacional e da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe. Não há perspectiva de mudança no curto prazo.

Os dados mostram que as políticas econômicas dos peronistas Alberto Fernández e Cristina Kirchner não estão dando certo. Desde o início da pandemia de covid-19, a dupla impôs o lockdown mais duradouro do mundo, aumentou o mínimo e congelou preços de milhares de produtos da cesta.
O Instituto para o Desenvolvimento Social da Argentina calcula que, dos 46 milhões de argentinos, 40% se situam na classe média, mas só metade dessa parcela está na chamada “classe média acomodada”, com salários acima do equivalente a R$ 15 mil por mês e poupança em dólar.
Fonte: Revista Oeste
Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem