Adubo produzido no DF ganha destaque por seu alto valor biológico

Carlos Lima Leite, criador da marca Solomaster: 200 toneladas de adubo bokashi - Fotos: Sebrae-DF.

Porto Velho, RO - Desde criança, Carlos Lima Leite sempre teve contato com elementos da vida rural. Seu interesse pela produção agrícola, com o passar dos anos, tornou-se uma espécie de mola propulsora que fez surgir na mente do pequeno brasiliense o desejo de possuir uma propriedade rural. Hoje, aos 41 anos, Carlos já concretizou o sonho da época de criança e está posicionado como um empresário de destaque na cena rural do DF e do Brasil, produzindo adubos orgânicos com alto valor biológico em sua propriedade localizada perto do Núcleo Rural Taquara, região próxima à Planaltina.

O caminho de Carlos, no entanto, foi árduo e começou a ser trilhado durante os anos de trabalho na iniciativa privada. Utilizando os recursos financeiros que tinha disponíveis, ele comprou uma casa em Planaltina. Alguns anos depois, em 2010, vendeu a mesma para adquirir sua atual propriedade, onde iniciou o cultivo de hortaliças diversas. A princípio, utilizava adubação química, atuando da maneira convencional e conciliando com a rotina de trabalho.

À época, Carlos trabalhava na Federação da Agricultura e Pecuária do Distrito Federal (FAPE/DF). Conhecia de perto o trabalho desenvolvido pelo Sebrae no DF com pequenos agricultores locais e decidiu buscar apoio com o objetivo de implantar em sua propriedade um cultivo agrícola totalmente orgânico. Ele prontamente foi atendido por consultores credenciados à instituição e recebeu a informação de que precisaria utilizar um adubo diferente, do tipo bokashi, um produto capaz de melhorar a qualidade da produção de hortaliças, permitindo que elas possam chegar à mesa do consumidor mais saudáveis e nutritivas.

“Comecei uma pequena produção do adubo para utilizar nas hortaliças que cultivava. A demanda foi crescendo e, aos poucos, comecei a fornecer para outros produtores conhecidos. Chegou em um ponto em que decidi parar de produzir hortaliças e focar exclusivamente na produção de bokashi”, conta Carlos, relembrando a época em que abriu a Solomaster Adubos Orgânicos.

O produtor explica que não há um modo de preparo pré-definido para a produção do adubo, ou seja, os ingredientes utilizados na fabricação podem variar. Portanto, existem várias receitas de bokashi. Há, apenas, uma regra química que precisa ser seguida durante o processo de fermentação de produtos de origem vegetal e/ou animal. Nessa etapa, é preciso haver produtos que favoreçam o equilíbrio de substâncias como nitrogênio, fósforo, potássio e o magnésio. “Não podemos fugir desse equilíbrio. Fora isso, quem produz fica livre para usar os ingredientes que tiver à sua disposição, como adubo bovino, cama de frango, cinza de caldeira, casca de ovo, víscera de peixe, casca de camarão, alga marinha. Esses macro ingredientes são variáveis e permitem que nenhum produtor fique refém do que não conseguir encontrar em sua região”, esclarece ele.

A produção de bokashi na propriedade de Carlos é feita em uma área de 1 hectare e segue à risca o equilíbrio nutricional. O produtor também conta com um rol de fornecedores de matérias-primas que o permitem manter a qualidade e também regularidade no processo de fabricação. Essa equação já contribui não apenas para aumentar a disponibilidade de nutrientes nos solos do Distrito Federal, mas também em outras localidades do país, como Holambra, cidade conhecida como capital das flores, localizada no interior de São Paulo. Além disso, os adubos Solomaster podem ser encontrados em lojas em Natal, Fortaleza, Aracaju e em outras cidades do Nordeste e Sudeste brasileiro.


Carlos segue à risca o equilíbrio nutricional na produção de bokashi.


Mensalmente, a marca produz cerca de 200 toneladas de adubo bokashi. A capacidade de produção alcança algo entre 2 mil e 3 mil toneladas, mas obedece a um cálculo baseado na demanda dos meses anteriores, devido a uma opinião pessoal de Carlos. “Acredito que adubo é um produto que não deve ser estocado por mais do que três meses. É algo que não tem prazo determinado de validade, mas que com o passar do tempo vai perdendo sua capacidade de ativação biológica. Mantemos regularidade em nossa produção para que os nossos clientes não comprem um produto que já está há três ou quatro meses estocado, mas sim um adubo com ativação biológica no seu máximo de efetividade”, observa.

O resultado de todo esse trabalho, o produtor agradece ao apoio do Sebrae no DF. Segundo Carlos, a instituição esteve presente ao lado dele em todas as fases de crescimento da empresa. “O Sebrae me proporcionou visão estratégica. Muitas vezes nós, pequenos produtores, temos talento para execução de determinados processos, mas falta capacidade de gestão. O Sebrae atuou corrigindo essas arestas, oferecendo condição melhores para que pudéssemos nos desenvolver”, conta o produtor.

Além da orientação para Carlos começar a produzir o seu próprio adubo, a instituição o apoiou no registro da marca Solomaster, no desenvolvimento da identidade visual, na inserção da marca em mercados e também no desenvolvimento de novos produtos, como a elaboração de uma linha jardim, destinada a pessoas que possuem plantas em pequenos viveiros em suas residências. O produtor também já esteve presente, com o apoio do Sebrae, em grandes eventos como a Hortitec, a mais importante feira de hortaliças, flores e frutas da América Latina. “Ampliei a minha visão estratégica. O Sebrae simplesmente me pegou pela mão e me conduziu”, completa Carlos.

Os planos para o futuro da marca não envolvem pretensões audaciosas. O produtor quer seguir mantendo um padrão de qualidade em seus produtos e oferecendo um trabalho sério e digno para seus funcionários. “Mantendo isso, o meu crescimento será natural”, conclui ele.
Serviço – Solomaster Adubos Orgânicos
Contato: 61 9 8636 6602
Redes sociais: @ solomasteradubos
Site: www.solomaster.com.br


Fonte: DP Redação
Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem