CAMPEÃO CESB Novo 'rei da soja' é ex-citricultor e colhe 126,8 sacas por hectare


Porto Velho, RO - O grande vencedor do Desafio Nacional de Máxima Produtividade de Soja do Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb) foi conhecido na manhã desta quinta-feira (23). E ele é paulista. O produtor rural da Fazenda São João, em Pilar do Sul, São Paulo, Matheus Leonel Nunes Alves, juntamente com o consultor Rafael Antonio Campos de Oliveira, atingiram 126,85 sacas/hectare na categoria Sequeiro.

Considerando a quebra da safra 2021/22 por conta da estiagem que tão fortemente atingiu os estados do Sul e Mato Grosso do Sul, a marca alcançada pelo campeão é 2,5 maior do que a média nacional, de 50 sacas, estimada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A propriedade onde o maior número de sacas foi colhida conta com 300 hectares, sendo 195 deles destinados à soja. Trata-se da terceira geração da família Nunes, que iniciou na agricultura em 1960. A área auditada pelo Cesb na fazenda foi de 2,58 hectares.

Sistema produtivo

O sistema de plantio produtivo adotado é o plantio direto com rotação de culturas nos últimos três anos. A fazenda vinha de 17 anos de cultivo de citros, mas por conta de problemas na cultura, como o greening, mudou para feijão, milho e aveia na safra 2019/20. Na temporada 2020/21, milho e trigo foram semeados e, no atual ciclo, a escolha foi pelo consórcio entre soja e milho.



O aporte de insumos no solo, como carbono e duas toneladas de calcário por hectare, foi um dos principais fatores a possibilitar que logo no primeiro ano de produção de soja, o produtor conseguisse atingir a marca vencedora do desafio de produtividade.

Em toda a área de 20 hectares onde Nunes e Oliveira escolheram o talhão para participar do concurso, foram colhidos 113,6 sacas. Ao longo do período vegetativo, a fazenda recebeu 134 mm de chuva e no reprodutivo foram 339 mm.

Em termos de eficiência, a propriedade apresentou os seguintes índices:


Eficiência climática: 63%
Eficiência agrícola: 93%

Matriz de ecoeficiência

Para cada quilo de soja, os seguintes resultados foram obtidos:

Redução de 54% de emissão de CO2
Diminuição de 50% da eutrofização de água doce
59% menos de consumo de recursos minerais e metais
Decréscimo de 53% do uso da terra

Categoria irrigada

O produtor Eduardo Burck de Sousa Costa, auxiliado pelo consultor Lucas Jackson de Sousa, da Estância Capororóca, de Arroio Grande, no Rio Grande do Sul, foi o vencedor da Categoria Irrigada do prêmio, com 117,41 sacas de soja por hectare.


Foto: Fernanda Farias/Canal Rural


Ao todo, a fazenda tem 2.700 hectares, com 185 irrigados e 910 destinados à soja. Desde a safra 2016/17, a propriedade consorcia a soja com azevém.

Campões regionais

Pela primeira vez no Desafio de Máxima Produtividade de Soja, a região Norte do país ganha uma categoria própria, dissociando-se da Nordeste.

Veja o vencedor e as produtividades de cada região:

Norte: Sítio Bom Futuro, Castanheiras – Rondônia: 90,34 sacas/ha

Nordeste: Fazenda Barcelona, Riachão das Neves – Bahia: 114,32 sacas/ha

Sul: Granja. V.P.S, Camaquã – Rio Grande do Sul: 114,8 sacas/ha

Centro-Oeste: Fazenda RS, Chapadão do Céu – Goiás: 117,14 sacas/ha

Sudeste: Fazenda São João, Pilar do Sul – São Paulo: 126,85 sacas/ha


Assista ao evento na íntegra:

Fonte: Por Victor Faverin, de São Paulo
Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem