‘Adubação de reposição é perfeitamente possível na safra de soja 22/23’


Porto Velho, RO - O Projeto Soja Brasil completa dez anos nesta safra 2021/22 e, como parte das comemorações, trouxe um programa especial nesta quarta-feira (30). O diretor de Conteúdo do Canal Rural, Giovani Ferreira, destacou na ocasião que, neste período, o país dobrou a produção de soja e triplicou suas exportações.

“Conseguimos fazer isso nesta década graças ao tema que estamos trazendo neste programa: pesquisa e tecnologia. Não conseguiríamos avançar a passos largos neste setor se não fosse muito investimento nesses dois princípios”. Segundo ele, a busca eterna do agronegócio pode ser resumida em duas palavras: eficiência e competitividade.

Nesta esfera, cabe ao agricultor mostrar sua resiliência para enfrentar um ano de grandes desafios, como a alta dos preços dos insumos. Sobre este assunto, o presidente da Aprosoja Brasil, Antônio Galvan, trouxe um alerta: “Não é hora do produtor comprar fertilizantes, só em casos de extrema necessidade para aplicação em alguma cultura já instalada. Caso necessário, vamos aguardar e racionalizar lá na frente para poder baixar os custos e viabilizar novamente a nossa atividade”.


Foto: Pixabay

Como painelistas, o programa especial trouxe a participação do pesquisador da Raízes Consultoria, Leandro Zancanaro, e do presidente do Grupo Associado de Agricultura Sustentável (GAAS), Rogério Vian. Este último salientou que, por conta da quebra de safra na soja na América do Sul, os estoques levarão anos para serem recompostos, mesmo com a possível expansão de intenção de plantio nos Estados Unidos, a ser anunciada em relatório desta quinta-feira (31).
Desafios e soluções para a soja

Junta-se ao cenário de desafios os efeitos da guerra ucraniana, que levarão à provável destruição da logística ucraniana, o que afeta a oferta de fertilizantes. Mas nem tudo são problemas. Zancanaro, por exemplo, lembrou que graças à aplicação de técnicas de manejo embasadas em pesquisas científicas, o Cerrado brasileiro, antigamente avaliado como de baixo potencial produtivo, passou a ser exemplo de produtividade na soja e também no milho.

O pesquisador também fez questão de assegurar ao produtor rural que a adubação de reposição será possível na temporada 2022/23. “Com bom aporte de raiz, de palhada, fizemos adubação de reposição em estudo da Fundação MT e conseguimos manter a produtividade da soja ao longo de 14 anos […]. Alta produtividade com uso de conceitos agronômicos básicos são o desafio”, constatou.

Em complemento, Vian salientou que ao fazer o manejo de base de forma correta e na hora certa, é possível melhorar produtividade e baixar custos de produção. “O Brasil tem tudo para sair mais fortificado desta crise”, afirmou. “Na região Sul do país, por exemplo, vai se poupar muita adubação, pois os fertilizantes estão todos no solo, já que não choveu e a soja não conseguiu aproveitar esses nutrientes”, concluiu.

Assista o evento na íntegra:




Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem